domingo, 30 de junho de 2013

O Litoral Sintrense


Image Hosted by ImageShack.us

Ao longo dos séculos, muita gente encontrou em Sintra  excelentes condições não só para ali viver como também para passar algumas temporadas durante o ano.
Monarquia, aristocracia  e burguesia portuguesa e estrangeira deixaram as suas marcas.
O Sintra é única  as suas zonas circundantes encerram  anos de historias e lendas que mais á frente falarei a propósito de alguns  locais de pesca.


Orografia


A Serra de Sintra com pouco mais de 500 metros de altitude  estende-se  ate á costa terminando abruptamente em  falésias elevadas sobre o mar em toda a sua extensão.
No Cabo da Roca são 160 metros de altura  de falésia abrupta sobre o mar
No entanto existem alguns vales que se prolongam ate ao mar interrompendo as elevadas falésias. Samarra, Magoito, Praia das maçãs e Adraga são alguns exemplos. Nestes locais situam-se pequenas praias de areia.
Os fundos marinhos são  de pouca profundidade e maioritariamente rochosos ou mistos. Contudo,  e fruto das correntes marítimas e direcção dos ventos uma parte do ano praticamente toda a costa de Sintra fica assoreada.
Os difíceis  acesso ao mar e a sua orientação geográfica, virada a oeste, banhada pelo Atlântico fazem com que esta faixa costeira esteja mais protegida da exploração do homem mantendo assim excelentes condições para a pesca. 
Desde o Cabo da Roca   ate á foz do Fio Falcão são quase 20 km de faixa costeira cheia de potencialidade.



Condições meteorológicas


O litoral Sintrense tem inicio junto ao  Cabo da Roca,  que é o ponto mais ocidental da Europa e sofre as influencias da Serra de Sintra  e do Oceano Atlântico. Por ser uma costa completamente virada a oeste, fica á mercê das condições meteorológicas vindas  do quadrante norte que não são nada bons para pescar  trazendo correntes de agua fria e mar bravo.
As condições meteorológicas do  quadrante oeste, se forem muito intensas o vento altera a ondulação embravecendo o mar o que  nos impossibilita de pescar por não haver pesqueiros abrigados do vento de mar.
Já com o tempo de leste ou de terra o efeito é contrario ao tempo de oeste. O mar tem tendência a amansar. Nesta costa e por ser alta e escarpada estamos abrigados do vento podendo pescar em toda a sua extensão.
As condições meteorológicas do quadrante sul trazem correntes de aguas quentes e azuis e se o vento for intenso pode embravecer o mar

Locais de pesca 


Começando no extremo sul do litoral sintrense, temos a zona do Cabo da Roca que por ser de falésia abrupta sobre o mar, os caminhos para chegar á agua ou o seu regresso  envolvem grandes esforços físicos. Lá em baixo o terreno é um amontoado de rochas  enormes em que precisamos de subir e descer cada rocha para podermos progredir no terreno.
O tipo de pesqueiros é junto a agua pelo que o mar tem de estar com ondulação inferior a 1.5m  para se pescar em segurança. No que toca á direcção do vento,  devemos escolher tempo de sul ou de leste.
Os fundos são rochosos com muito marisco e quando o litoral  de Sintra fica assoreado  esta zona torna-se em fundos mistos.
Por estes lados o Sargo é  o peixe que mais se captura, podendo também encostar em alguns pesqueiros Robalos e Douradas e no verão Carapaus e Bailas

Image Hosted by ImageShack.us

Seguindo um pouco para norte temos a região compreendida entre a Praia da Ursa e a Praia da Adraga.
Toda esta zona e caracterizada por elevadas falésias com acessos muito difíceis á agua havendo muitos  pesqueiros em que o acesso é feito através de cordas e escadas improvisadas  Todo o cuidado é pouco, diria mesmo que é uma zona de pesca apenas para os conhecedores e gentes da terra.
Esta zona tem muitos pesqueiros em que  permite pescar com as mais variadas condições de tempo e mar.
Por aqui  as zonas junto ás Praias quer da Ursa quer da Adraga os fundos tendem a ser mistos ou completamente assoreados. Desta forma os robalos entram bem nestas zonas. Deixando a zona de areal os fundos são rochosos com bastante marisco e os Sargos são a principal espécie capturada. Em algumas épocas do ano as Douradas mobilizam muitos pescadores capturando-se excelentes exemplares.
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
É uma zona de grande beleza natural e existem algumas lendas sobre esta zona.

 “. A Praia da Ursa, deve o seu nome segunda a lenda, a uma ursa que desobedeceu às ordens dos deuses, recusando-se a migrar para Norte com os seus filhotes quando os gelos que cobriam a Serra de Sintra começaram a derreter. Iradas, as divindades transformaram a ursa desobediente numa enorme pedra e os filhotes em pequenos calhaus para sempre dispersos em seu redor.”

Image Hosted by ImageShack.us

“Lenda de Alvidrar
Há muitos séculos atrás, o Deus Vulcano, figura sinistra e perversa, jurou vingar-se para todo o sempre duma formosa princesa, espelho de virtudes sem par.
O maligno Vulcano, seguindo ruins desígnios, pretendeu casar-se com a esbelta princesa que já a outro prometera a sua mão.
Pouco satisfeito com o inesperado facto, quis saber de quem se tratava. Furioso ficou quando soube que o futuro esposo da gentil princesa era o seu próprio sobrinho, filho primogénito da sua irmã. Imediatamente acorreu à casa de sua irmã Zipa e queixou-se do seu desespero. Esta fez-lhe ver que nada tinha com o próximo enlace. Jovens e obedientes aos pais de cada um, tudo neles concorria para que fossem felizes.
Em consciência nada teria a opor-se e recomendou ao irmão prudência e resignação; a casta princesa não era para a sua idade, merecia um jovem como ela.
Vulcano não acatou os conselhos prudentes e nobres da irmã.
Chegando a seus domínios, organizou fortíssima expedição que se dirigiu para as terras da princesa Al-Vidrar e de seu sobrinho Foje.
Zipa veio ao seu encontro mas nada deteve Vulcano.
Naquela cruenda batalha restam os corpos vulcanizados dos moços namorados aos quais chamamos PEDRA DE ALVIDRAR E O FOJE.



Esta formação rochosa encontra-se a sul da Praia da Adraga.
Ao contrario da restante falésia que formada por precipícios verticais e que é característica desta zona, a Pedra de Alvidrar é um troço de falésia com uma inclinação bastante acentuada que nos leva até mar.
Sobre esta pedra existem historias bastante antigas

Image Hosted by ImageShack.us

Continuando o nosso caminho para norte temos a zona da compreendida entre a Praia das Maçãs e as Azenhas do Mar. Aqui a altura da falésia cresce á medida deixamos a Praia das Maçãs e chegamos á Azenhas Mar. Em toda esta zona os acessos á agua são fáceis e sem dificuldade . Esta zona fica assoreada com muita frequência e uma vez que esta muito exposta ás nortadas e ventos de oeste devemos escolher dias com pouco vento e ondulação inferior a 1.5mt Esta é uma zona que esta assoreada durante grande parte do ano mas aqui a  espécie que mais atrai os pescadores é a Dourada.
O Bico da Messe é o pesqueiro mais concorrido havendo pescadores 24h por dia quando elas encostam.
Sargos e robalos também saem com muita frequência nesta zona

Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us

Também aqui há uma historia sobre a origem do nome de Praia das Maçãs.

“A Praia das Maças deve o seu nome ao facto da Ribeira de Colares que ali desagua, ter corrido em tempos entre pomares de macieiras, pelo que a fruta, quando estava madura, caía na água e ia dar à praia.”


A próxima zona é uma extensa área muito semelhante em toda a sua extensão e que vai da Praia do Magoito ate Casal Pianos. Aqui as falésias são altas mas os caminhos que nos levam ao mar são de fácil acesso. Lá em baixo apesar de ser um amontoado de rochas em muitos locais existe locais planos e muitos fáceis de mudar de pesqueiro.
Esta zona também fica assoreada com alguma facilidade.
Sargos e Robalos são as espécies que mais se capturam durante todo o ano .  As Douradas também dão o ar da sua graça nesta zona. No verão Carapaus, Cavalas e Bailas encostam com facilidade atraindo muitos pescadores para a pesca nocturna

Image Hosted by ImageShack.us

E por ultimo temos a zona que começa na Praia da Samarra e vai ate ao Cabo de Vide
À semelhança de outra zonas do litoral sintrense, aqui as falésias são elevadas mas os caminhos que nos levam ate ao mar são fáceis de percorrer.
Os Sargos e os Robalos sem muito nesta zona e as Douradas também fazem por aqui a sua aparição. No verão Carapaus, Cavalas e Bailas também encostam fazendo as delicias dos pescadores que aqui se deslocam.

Image Hosted by ImageShack.us

Nesta zona também existe historia.

“No topo sul da Samarra existiu um povoado da idade do cobre,  há perto de quatro mil anos - o povoado de Pedranta  e existem também gravuras  rupestres .
No topo norte foi descoberta uma jazida com ossos de mais de 100 indivíduos”

Material e iscos


Como podem constatar pelas fotos esta costa é muito rochosa e talvez a grande maioria dos pesqueiros situam-se  ao nível da agua ou seja menos de 5 metros de altura. Desta forma as canas a usar podem ser de 5 metros sendo o mais aconselhado canas de 6 metros por serem  mais polivalentes. Nesta costa existe sempre ondulação e este tipo de canas permite-nos pescar mais afastado do mar.
Os carretos são o tamanho 4000 de boa qualidade com boas linhas quer na madre quer nos empates, pois esta costa tem proporcionados excelentes troféus a quem aqui pesca.
Os anzóis são os normais para as espécies aqui existentes sendo o chinu e o anzol clássico os mais utilizados.
As bóias são as tradicionais, tipo caneta e o muito famoso Peão Algarvio que tem ganhado muitos adeptos por estas bandas.
A rebeca e o chalavar aqui são quase peças obrigatórias.
No que toca aos iscos, o camarão, e a sardinha são os mais utilizados
Os ouriço, são  utilizados para a captura das douradas.
Mexilhões, amêijoas, teagem e outros anelídeos e são outros iscos que muitos dos pescadores também utilizam..
O engodo de sardinha  também é obrigatório. Bem moído para os Sargos e mal pisado para os Robalos.

Image Hosted by ImageShack.us


Notas finais


Se podermos estabelecer um calendário anual de capturas de espécies para esta zona,  poderá ser algo deste género
Sargos - Outono - Primavera
Robalos- Outono- Inverno
Douradas- Primavera
Carapaus- Verão
Bailas- Verão
Cavalas- Verão

Fotos com  localização de alguns Pesqueiros
 Cabo Roca Bico Messe



Legenda
1 Pedra da Azoia
2 Pedra que Bole
3 Noivas
4 Pedra de Alvidrar
5 Pedra do sal
6 Bico da messe

 Magoito Samarra



Legenda
7 Ponta das Insimas
8 Gerebeto
9 Pedra do Murzelo
10 Laje
11 Reboleda
12 Castelo




 Samarra Cabo de Vide



Legenda
13 Espinhaço
14 Cavalinhos
15 Ribeira da Mata
16 Cabo de Vide


Sites consultados:
Câmara de Sintra. www.cm-sintra.pt
Igespar- www.igespar.pt

Curiosidade
Musica
Este videoclip foi rodado no litoral sintrense. A praia onde decorem as filmagens é a Praia das Maçãs
Também existem imagens aéreas do guincho e de praticamente de todo o litoral sintrense
A Primeira imagem do videoclip é da Praia da Aguda
17 segundos estrada do guincho
33 segundos panoramica Praia das Maçãs
50 segundos Praia da Aguda
1 minuto entre Praia da Ursa e Praia da Adraga
1, 05 extremo sul da Praia Grande
1.14 Praia Grande
1.35 Praia da Ursa
2.08 Extremo sul Praia das Maçãs
2.33 Praia da Crismina – Guincho
2.47 Extremo sul Praia Grande
3.06 Praia do Guincho

Este artigo foi publicado na revista "O Pescador"

3 comentários:

C.Morais disse...

Parabéns pelo post, está muito completo, bem detalhado e exemplificado :)
Tendo já visitado alguns desses cantinhos, devo dizer que estão aí praticamente os sítios "must" a visitar ;)

Abraço!

Ruben disse...

Obrigado pelo comentário, De facto esta costa é fantástica. Dá para pescar todo o ano.
Abraço

Goa-Trance disse...

Boas, pode-se pescar na praia da Crismina (Guincho) fora da época balnear?