domingo, 31 de janeiro de 2010

Sargos no verão




No verão as condições para pescar nem são boas para o peixe nem para o pescador.
Mares mansos, aguas transparentes, muitas horas de luz, calor as nortadas na costa ocidental desmotivam qualquer pescador.
Quando o mar mexe um bocadinho e o vento pára, então é altura ir a eles(sargos).


As previsões eram de ondulação de 1.5m e ausência de vento por um dia e maré de quarto crescente a encher com a preia- mar pelo meio dia.
Uma característica das marés de quarto de lua é a pouca amplitude entre marés. Vaza pouco e enche pouco e isso pode ser benéfico pois o peixe pode concentrar-se no pesqueiro durante mais tempo.
A pesca teria de ser feita pela fresca, começando a pescar logo ao amanhecer.
De véspera preparei todo o material, 2 conjuntos de canas e carreto, linhas finas para a aguas lusas, bóias de caneta e restante material.
Deixei a descongelar a sardinha para engodo, camarão e uma mão cheia de perceve para iscar.
Deixei o despertador para as 5 da manhã para às 6 estar no mar.
A noite abafada deixava adivinhar um dia muito quente e que teria de fazer a pesca nas primeiras horas para evitar apanhar com o calor da manhã.


Resize of amanhecer

Cheguei ao mar, ainda escuro, escolhi o pesqueiro em função do movimento das aguas e a sua oxigenação. As aguas eram azuis leitosas na sua camada superior por causa da feição mas por baixo elas eram transparentes.

Resize of pesqueiro oxigenado

O pesqueiro é composto por zonas de rocha com bastantes abrigos para o peixe com bastante alimento, perceve, mexilhão ouriços e algas.
Estes dados foram decisivos para fazer a correcta escolha do material.
Optei por uma cana de 6 metros ligeiramente macia uma vez que teria de pescar linhas finas em que a carga de ruptura é baixa e nestas condições a cana tem de ter alguma flexibilidade para amortecer as cabeçadas do peixe para evitar que a linha se parta..
O carreto é um tamanho 4000 com uma linha 0.24 macia o que lhe confere também alguma elasticidade e no estralho um fluorcarbono 0.18.
Bóia escolhida foi de 10 grs. lastrada a 10 grs. de forma a que estivesse praticamente toda dentro de agua ficando apenas a antena de fora para que a detecção das picadas do peixe fossem mais evidentes.
A distribuição dos chumbos foi feita da seguinte forma : 1 chumbo de 5 grs. na madre e no estralho de 50 cm um chumbo de 2 grs. e 2 de 1 grs. distribuídos ate ao anzol
O anzol n.º 2 chinu é ideal para a pesca ao sargo. Este tipo de anzol faz umas belíssimas iscadas de camarão.


Resize of montagem 1

O engodo de sardinha muito bem pisada de forma que fizesse um engodo muito fino. Afinal o engodo não é para encher a barriga aos peixes mas sim concentra-los e atrai-los á isca.
Ao fazer o engodo reparei que a temperatura da agua era elevada e isso é um bom pronuncio para a pesca.

Montado o material e engodo feito, começo a pescar no inicio da enchente com os primeiros raios de sol
Faço a primeira iscada de camarão e ponho a iscada junto á parede da falésia a como se estivesse a pescar ao tento a ver se apanhava algum sargo a mariscar aproveitando o vai vem da agua para arrancar o alimento.
Nas primeiros lances senti uns toques ficando na duvida se seria peixe ou o anzol a roçar na parede da falésia.
Experimentei uns lombos de sardinha e também perceve mas para ver se era peixe mas sem resultados.

Resize of acção pesca

Passei á técnica de bóia propriamente dita mas sem resultados. Um toque aqui outro ali, variando a altura da bóia, ora pescando mais longe ora encostado á falésia.
A maré ia subindo e o sol também. Já com o dia completamente claro lá ferrei o primeiro peixe.


Resize of bodião
Um bonito exemplar de bodião, que após de fotografado foi libertado.
Este peixe é para mim um dos mais bonitos peixes da nossa costa.
O bodião é um peixe que vive e se movimenta no fundo entre as pedras e algas, e o facto de o ter apanhado significa que a isca estava a trabalhar junto ao fundo.
Mais umas iscadas e novamente outro bodião que prontamente foi devolvido.
Esta não é a espécie que procuro. Há que alterar a montagem para que possa ter êxito.
Retiro o estralho e faço um novo com cerca de 50 cm mas desta vez sem chumbos de calibrar.
Calibro novamente a bóia para 10 grs. mas o chumbo fica todo na madre, deixando o estralho ao sabor da maré.


Resize of montagem 2

Baixo também a bóia de forma a que o isco trabalhe mais ma metade inferior da coluna de agua e não rente ao fundo como o tinha feito ate aqui.
Após alguns lances começo a sentir algumas picadas mas sem resultados efectivos.
Continuo a engodar e a alternar as iscadas entre camarão e sardinha e perceve . iscadas mais generosas outras mais a tapar apenas o anzol.

Resize of iscada camarão

Já sem grande esperança lá ferro o primeiro sargo com medida bastante aceitável numa altura com mais de meia maré.

Resize of captura exemplar

A certa altura começa uma brisa ligeira mas fresca vindo de norte que começa a ganhar intensidade e o mar ganha força.
Com esta mudança as picadas são mais frequentes e o peixe aparece. Em pouco tempo ferro 3 bons sargos já perto da preia mar
O maior exemplar foi com perceve e todos os outros foram com camarão.


Resize of iscada preceve

Ainda insisti mais um pouco mas da forma inesperada que parecerem estes peixes também rapidamente deixei de os sentir..
Já contente com 4 peixes de bom lote e numa altura que já não esperava apanhar peixe dei por encerrado a sessão de pesca.

Resize of capturas sargos

Notas finais

No verão as agua lusas e o mar com pouca ondulação não são as condições ideais para a captura de peixe.
Para se ter êxito:
A utilização de linhas finas é obrigatório
Quando não sentimos peixe há que alterar quer a montagem explorando os diversos patamares da coluna de agua.
Variar a distancia dos lançamentos optando por pescar mais fora ou mais encostado
Variar o isco e a sua apresentação devendo iscar de diversas formas umas vezes mais generosas outras apenas a tapar o anzol.
Mudar de pesqueiro quando já perdemos a esperança de apanhar peixe.

Boas pescas

11 comentários:

Abilio Pires disse...

Boa tarde,
Estou a utilizar piões como boia pela razão de que uso filetes de sardinha com isco, e as mais pequenas que eu conheço não se coadunam com as iscas que uso!
As bóias que usa resolvem este meu problema?
cmps
Abilio

Ruben disse...

Bom dia.
Há varias formas de iscar sardinha.
Há formas em que a sareinha permanece mais tempo no anzol e por isso permite um lançameto mais forte e outras formas que é necessario um lançamento mais suave.
Tambem a escolha das Sardinhas e a forma de as preparar tem influencia.
A sardinha deve ser rija de boa consistencia e podemos colocar umas pedras de sal para enrigecer.
Pescar com peão e iscar com sardinha não tem problema.
Boas pescas

Anônimo disse...

Porque é que em todos os postes que vejo em diversos sites, os autores não revelam o local das sua pescarias?
Os novatos gostariam de saber.

Ruben disse...

Boa tarde. Essa critica já é recorrente quer nos Blogs, Sites e Fóruns de pesca.
De certa forma não há mal em revelar o local de uma pescaria. Cada dia é um dia e não se repetem dois dias iguais. Os elementos são muito dinâmicos e mudam. O vento as correntes,as marés e o peixe não está sempre no mesmo sitio. Nunca fiz grandes pesca no mesmo pesqueiro em dias consecutivos.
Vou partilhar uma historia que é conhecida por muita gente e que se passou com um amigo meu. Certo dia antes do nascer do sol, ele gostava de pescar assim, começar bem cedo. Esse meu amigo e companheiro de pesca, numa local que gostava bastante fez uma boa pesca, uns bons sargos, robalos e outros peixes mais fracos e partilhou com os amigos e num forum de referencia em que era membro muito activo. Isto passou-se uma quarta feira. No fim de semana seguinte um dos amigos que costumava também lá pescar há já muitos anos diz que nunca viu tanta gente à pesca naquele local e para puder pescar teve que subir e descer pedras para arranjar um buraco para puder por a bóia na agua.
Ele não sabia que tinha sido partilhada a informação no forum.
Quando comentou que uma enorme multidão estava naquela zona concluimos que a partilha de determinadas informações originam neste caso um afluxo maior de pescadores aos locais onde ocorrem as pescarias.
Um local que costumava ser sossegado deixou de ser.
Uma outra razão prende-se com a segurança. Muitos dos pesqueiros que se frequenta não são fáceis de lá chegar. Cordas, escadas e trilhos em que um descuido é a morte do artista.
Tenho um amigo que o foram resgatar de Helicóptero e tambem ja desencadeie uma vez um resgaté de um casal que pertendia passar a maré numa pedra ilhada a pescar sem saber que o mar estava a crescer. Sé lá tivessem ficado talvez hoje não estaria vivos.
Uma outra razão é o manter os pesqueiros limpos. Certamente já encontrou pesqueiros imundos cheiros de lixo em decomposição. No verão então é demais.As bogas, Agulhas, Tainhas Cavalas Salemas por vezes são deixadas a apodrecer em cima das pedras por serem espécies que muitos pescadores rejeitam.As caixas de isco, os sacos de iscoou engodo também contribuem para esta lixeira. Nesta altura do ano os
mares mansos não lavam as pedras e não limpa a porcaria que lá se deixa. Gostava de pescar num local assim? Eu não. Estas são algumas das razões. São validas como qualquer outra que se entenda defender para mencionar ou não os locais de Pesca.
Neste artigo e para os conhecedores da Zona não ha duvida de onde é.
Para os que não sabem é no Guincho em Cascais.
Boas Pescas em segurança e não deixe lixo nos pesqueiros.
Deixe os pesqueiros limpos

Abilio Pires disse...

Bom dia Ruben,
No outro dia falaram-me de um isco que ainda não experimentei aos sargos, e que dá pelo nome de batata do mar! Já usa? Que experiência tem?
Dizem-me que é mais selectivo no tamanho dos sargos, e isso vem de encontro ao que eu desejo, afinal temos de deixar criar os pequenos.

cumps

Ruben disse...

Bom dia Companheiro de pesca. Sobre esse isco nunca ouvi falar. Pode ser que tenha outro nome por aqui.
Há iscos que funcionam muito bem em determinadas zonas e outras não. Quanto ao seleccionar o tamanho do peixe pelo isco nem sempre funciona.
Por vezes iscos mais rijos fazem esse Efeito como é o caso do carangueijo.
Abraço

Anônimo disse...

Boas noites. Ruben estou me a iniciar neste passatempo e irei tentar a pesca á boia ao Sargo. Gostaria no entanto de tentar perceber algumas coisas . Nomeadamente a melhor altura para pescar se na praia mar se na baixa mar , depois outra duvida que tenho é tentar perceber a altura do mar e também perceber como faço um nó para a boia fixa , ainda não consegui perceber.

obrigado pela atenção , João Dias

Avb disse...

Pode me dar uma dica para comprar uma cana e carreto para pescar a boia que não seja muito caro porque é para iniciação??excelente post

Avb disse...

Pode me dar uma dica para comprar uma cana e carreto para pescar a boia que não seja muito caro porque é para iniciação??excelente post

Avb disse...

Pode me dar uma dica para comprar uma cana e carreto para pescar a boia que não seja muito caro porque é para iniciação??excelente post

Anônimo disse...

Bom dia camaradas de pesca. Este próximo domingo estou a pensar ir fazer uns lançamentos para a zona de Cascais. Zona que nunca pesquei pois a mim da me mais geito Peniche. Há algum pesqueiro nessa zona que não seja muito alto e que tenha águas oxigenadas para tirar uns sargos?
Já agora uma questão. Vejo colegas a engordar com sardinha, mas numa forma mais líquida, é vejo Malta que preferem farinha de trigo com sardinha e fazer umas bolas de engodo mais consistente.
Qual a voça opinião para as zonas de Cascais/ Peniche?
Gostava de aprender alguma coisa com vosco. Cumprimentos e boas pescas.