sexta-feira, 4 de junho de 2010

Comprindo-se a tradição




Comprindo-se a tradição, fomos passar uns dias ao SW Alentejano.
Como não podia deixar de ser, o material da pesca acompanhou-me pois é atravez dele que buscamos o nosso sustento.




A GNR cumpria uma das suas obrigações- fiscalizar o parque natural, verificando se tudo estava dentro da legalidade.
(foi-me informado que dentro do perimetro do parque natural não é premitido pescar, mas eles fecham os olhos a isso.)




Bem a pesca começou pela hora de almoço com a maré a encher.
Fui procurar um local onde o mar mexia mais um bocado e o unico local que tinha condições tinha muita gente a pescar.
Pedi licença para pescar a um pescador que pescava a chumbadinha e que já tinha 3 peixes. Pesquei à boia ao contrario do que ele me aconselhava.
Pesqueiro fundo com um lajão mais supreficial de seu nome "estrada".
Bogas e cavalas era o que se tirava.
Resolvi mudar de sitio para um local menos profundo mas com uma altura consideravel.
A pesca era para fazer junto da parede da falesia onde as ondas batiam e fazia um escoamento de agua continuo em função da onda.
Erra lançar no entrevalo de onda e depois deixar correr a boia ao sabor da corrente.
Ainda não tinha esticado a linha da boia no primeiro lançamento ja sentia um puxão na linha.
Pensando que era a corrente a levar a boia e que a linha estava no limite quando me aprecebo que tinha um peixe no anzol.
Foi o primeiro peixe.
No meio de muitos lançamentos muitos outros toques mas peixe nada e por fim la saiu outro para dar para o jantar.
Foi pena não ter apanahado mais um ou dois, mas estes foram o suficiente para a refeição.

Como iscos tinha camarão, ralos, ovas de lapa, preceves, mexilhão, bicha branca e sardinha.
2.5kg de sardinha para engodo.
Foi pescado com peão made in Pedro Batalha, e montagem made in Pedro Batalha.
Fio multifilar berkley 0.15 no carreto Daiwa capricorn 4000. Estralho utilizei varios diametros desde o 0.16 da Tantanka, 0.20 da Shimano, 0.23.5 Asari.
Anzois tenho varios desde o nº 1 até 4 de varios modelos. Chino é o que mais uso neste tipo de pesca aos sargos mas por vezes uso anzois diferentes consoante a forma do peixe comer e se estão a desferar muito ou não.
A Cana é da Cormoura a Corstrong de 6 metros com 440 grs de acção de ponteira o que torna a cana muito sensivel aos pequenos toques quando se pesca com a linha em tensão sobre a boia.


3 comentários:

Pedro Nunes disse...

Boas! No k diz respeito a n se poder pescar n parque natural do sudoeste alentejano, eu axo k isso ainda n foi aprovado, logo ainda n se encontra em vigor... axo k os agentes ainda n tem nada a dizer sobre isso...
saude

Ruben disse...

Caro Pedro Nunes,antes de mais obrigado por ter deixado um comentario no meu blog.
Sobre a regulamentação do PNSACV sujiro que dê uma vista de olhos neste link
http://dre.pt/pdf1sdip/2009/02/02500/0083100834.pdf.

ou http://portal.icnb.pt/NR/rdonlyres/78BF4F89-C0C7-4DDC-A432-EB4183C7D410/0/BrochuraPescaLudica.pdf

um abraço
Rubenroche

suso costa da morte disse...

moi bo traballo